Velhos olhos

Sinto saudades
Daquele tempo
Em que via as coisas
Com outros olhos.

Eu tinha olhos
De aprendiz:
Cada detalhe,
Cada matiz,
Me prendia,
Me encantava.

Todo bobo,
Me perdia.
Perplexo,
Aprendia,
E a tudo olhava.

Agora
Meus olhos
Já não são os mesmos.
Tenho olhos
Fatigados,
Olhos de um velho
Em longa caminhada.

Passam para lá,
Passam para cá,
Mesmo assim…
Tanto lhes
Escapa.

Olham, olham,
Não vêem nada!
Ainda
Que eu faça esforço, 
Ainda
Que eu os abra!

Olhos convencidos
De que tudo já viram
Mal se lembram
Do prazer
Da surpresa,
Do enigma das coisas
E sua beleza.

Por Larric Malacarne.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: