Ah, os limites!

Limites…
Os conheço bem.

Necessários? Claro!
Não faltam ocasiões, contudo, 

Nas quais é preciso ir além.

 

Tome cuidado, meu caro
Limites precisam ser bem usados.

Não permita que coisas arbitrárias restrinjam o seu ser
Não permita que ditem limites – escolham por você.

 

Para não ser mal compreendido
É necessário cautela.

Preste atenção: alguns limites são bons.
Sociedade… Terás que respeitar limites,
Se queres viver junto dela.
Olho por olho
Dente por dente
E o mundo seria cego e banguela!

 

Limites: somos nós que os construímos.
Não demora, tornam-se antigos.

Não acompanham as mudanças humanas,
Perdem, com o tempo, o sentido.

 

Sensatez
Duas doses indico a você

Não se apegue tanto aos limites
Mantenha-se sempre pensando.
Não se coloque, entretanto,
Para além dos limites…
E é esse o meu palpite.

Por Larric Malacarne

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: